Histórico

Histórico do curso

O início dos estudos na área de Geografia, na UFAC, remonta a cerca de 40 anos atrás. O curso nasceu no âmbito da antiga formação em Estudos Sociais em que se habilitavam professores para atuarem na área de Geografia e História. Em 1978 ocorreu a divisão de áreas e com isto nascia o curso de Licenciatura Plena em Geografia. Apenas em 1991, tendo a áreas de estudo já consolidada na Instituição, foi então criada a modalidade de bacharelado em Geografia, com propósitos de promover a formação de técnico, de pesquisadores, sob os mesmos princípios acadêmicos, políticos e sociais antes mencionados.

Durante este período ambas habilitações foram se consolidando como área comum, mas voltadas para uma formação diversa. Dessa forma tanto a licenciatura como o bacharelado têm passado por reformulações nas estruturas curriculares em busca de se ter maior coerência temporal com a realidade social em qual está inserido. Isto tem permitido a formação de grupos significativos de profissionais que atuam em diversos campos, embora a maior expressão esteja naquele grupo que assumem magistérios em diversos níveis de ensino; isto embora já haja salutar expressão de espaço profissional para a atuação do bacharel no Estado Acre.

Neste ambiente, pode-se apontar que atualmente, os cursos de Geografia
absorvem cem alunos que iniciam, permitindo assim, anualmente, que uma quantidade significativa de profissionais, nesta área de formação, seja posta no mercado de trabalho.

É neste sentido em que o aumento do número de egresso no mercado provoca a ampliação da necessidade da criação de um programa de mestrado em Geografia, no Acre. Para responder a esta necessidade, um grupo de professores dos cursos de graduação em Geografia, ao concluírem o doutorado, viram-se na obrigação de pensar e buscar atender esta realidade que demanda por formação. Diante da necessidade e do quadro docente na área atual, titulados, estamos certos que nesta metade da segunda década do século XXI,
reunimos as condições objetivas para tal pleito. Foi diante dessa situação, incentivado pela atual administração da UFAC e pelo Centro de Filosofia e Ciências Humanas, que se montou a comissão para elaboração do Programa de Mestrado Disciplinar em Geografia composta pelos Professores Doutores Silvio Simione da Silva, Maria de Jesus Morais, José Alves, Karina Furini da Ponte e Waldemir Lima dos Santos.

Nos trabalhos a Comissão, considerando a localização do Acre e suas condições de inserção no contexto amazônico e sul americano, definiu a área de concentração em: “Produção do espaço e ambiente nas fronteiras da Amazônia Sul Ocidental”. Somou-se para isto a condição de ser/estar fronteira(s) no contexto econômico, social, político e cultural, perto de outras realidades amazônicas e sul americana, ao passo que a região é vista como distante das centralidades mercantis dos respectivos países. É desta situação geográfica e perante a atuação dos professores que reunirmos condições de sustentar uma
proposta neste nível de pós-graduação, frente a real articulação socioambiental em espaço privilegiado da realidade transfronteiriça vivida. Considerando que se a fronteira une e separa os conteúdos nacionais sociogeográficos, será ela o elo que articula o grupo nos propósitos de suas pesquisas e ações extensivas no presente e no futuro.

Sob estes propósitos então constitui-se o grupo que está na raiz da formação do Programa, sendo que além do cinco membros da Comissão de elaboração do projeto ainda temos as Professoras Doutoras Lucilene Ferreira de Almeida Elisandra Moreira de Lira e Karla da Silva Rocha e o Professor Doutor Domingos José de Almeida Neto; todos vinculados a área de Geografia da UFAC; Prof. Dr. Carlos Estevão Ferreira Castelo(Economista) e Elder Andrade  de Paula (Cientista Político) – áreas afins da UFAC; e, Prof. Dr. Ariovaldo Umbelino de Oliveira – área de Geografia externo à UFAC(Professor colaborador no programa).

Como nas graduações em Geografia, o Programa de Pós-Graduação – Mestrado Disciplinar em Geografia foi construído e proposto buscando a incorporação não apenas das transformações mais recentes da política educacional, como também procurando alternativas para tornar a estrutura curricular do curso mais objetiva possível, em termos de carga horária. Isto, ao mesmo tempo, atento ao atendimento às exigências da legislação
de ensino e as necessidades de formação para atuação competente do Mestre em Geografia na realidade social atual em que será formado.

Isto, claramente, cientes de que se busca um equilíbrio entre a realização do curso, o desenvolvimento da capacidade crítica e as necessidades no mercado de trabalho para o profissional, neste grau de qualificação, na realidade regional amazônica. Para tanto, a compreensão da dinâmica da produção do espaço se empenhará no uso de teorias e técnicas que permitam a formação de um profissional apto a desempenhar sua função como agente social, com eficiência e eficácia, independente de escala de análise, concepção teórica filosófica que se deseja trabalhar.

Publicidade